Livro inclusivo ‘A Rainha das Rosas’ distinguido com prémio Acesso Cultura


O livro multiformato ‘A Rainha das Rosas’ foi distinguido com o prémio Acesso Cultura 2018 na categoria Acessibilidade Integrada durante uma cerimónia que decorreu no dia 20 de junho na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa.

‘A Rainha das Rosas’ tem na sua génese o conceito de livro para todos. Para tal ser possível, tem imagens em relevo, braille, letra aumentada e versão áudio para pessoas com baixa visão, pictogramas para indivíduos com incapacidade inteletual ou outra caraterística que os impeça de compreender o texto escrito e interpretação em Língua Gestual Portuguesa para que as crianças com surdez possam ter acesso à história, mesmo quando ainda não sabem ler.

O livro foi desenvolvido pelo CRID e por 96 crianças das escolas da Freguesia de Cortes que contribuíram através da criação da história, da ilustração e montagem do mesmo. Desde o seu lançamento, o CRID tem recebido convites de outras escolas para desenvolver projetos semelhantes.

Célia Sousa explica que “‘A Rainha das Rosas’ é adequado para desenvolver atividades de leitura com todas as crianças, colmatando assim uma grave e premente falha no mercado, que não tem em conta as diferentes necessidades deste público”. Este livro tem como principal objetivo ‘promover a participação ativa das crianças, permitindo uma utilização versátil com recurso a diferentes formatos de leitura’, conclui.

O prémio foi entregue a Célia Sousa do CRID e a Andreia dos Santos, representante das crianças, pais e encarregados de educação das escolas envolvidas.

Entrega do Prémio Acesso Cultura 2018

Momento em que Célia Sousa discursa aquando da entrega do Prémio Acesso Cultura 2018 na categoria Acessibilidade Integrada.#Inclusão #Prémio #AcessoCultura #AcessoCultura2018 #ARainhaDasRosas #CRID #LivroMultiformato #Multiformato #Braille #Audiolivro #Videolivro #ImagensEmRelevo #LetraAumentada #ComunicaçãoAumentativa #Acessibilidade #Pictogramas #SistemaPictográficoParaAComunicação #LínguaGestualPortuguesa #Cegueira #Surdez #BaixaVisão #Deficiência #IncapacidadeInteletual #BaixaLiteracia #Crianças

Publicado por CRID – Centro de Recursos para a Inclusão Digital em Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

CRID cria guião multiformato para a peça de teatro inclusiva ‘Pedro e Inês – Uma história de amor’

Pedro e Inês a dançar, dando as mãos esquerdas de cada um e olhando um para o outro com um sorriso nos lábios

O CRID foi convidado para ajudar a tornar inclusiva a peça de teatro Pedro e Inês – Uma história de amor, em parceria com o Centro de Educação Especial, Reabilitação e Integração de Alcobaça (CEERIA), o Instituto Nacional para a Reabilitação, a Câmara Municipal de Leiria e a Associação de Amigos de D. Pedro e D. Inês. A apresentação decorreu no Claustro do Museu de Leiria no passado dia 29 de maio.

Esta foi a primeira vez a nível nacional que uma peça de teatro teve um guião multiformato, que foi concebido pelo CRID e incluiu Pictogramas e Escrita Acessível, bem como Braille e Letra Aumentada. Durante o espetáculo, estiveram presentes intérpretes de Língua Gestual Portuguesa, bem como uma audiodescritora que foi ouvida através de auriculares distribuidos à entrada.

Intérprete de Língua Gestual durante a peça

É importante salientar que a adaptação de espetáculos não se destina apenas a pessoas com deficiência. A população portuguesa atual está bastante envelhecida, o que quer dizer que há dificuldades inerentes ao aumento da idade, como por exemplo as dificuldades de visão. Para além disso, muitos dos idosos de hoje não frequentaram a escola, tendo dificuldades de interpretação. E é fácil encontrar outros exemplos de grupos beneficiados com estas adaptações, tais como as crianças pequenas ou os estrangeiros que não conhecem a língua portuguesa.

O elenco do espetáculo era formado maioritariamente por pessoas com incapacidade inteletual pertencentes ao CEERIA, o que ajudou a desmistificar a ideia de que os produtos culturais são criados apenas “por e para” pessoas sem qualquer tipo de incapacidade física ou inteletual.

Fim do espetáculo, com o elenco de mãos dadas acima da cabeça a gritar pelo amor de D. Pedro e D. Inês

Porém, no debate que sucedeu a apresentação, os intervenientes defenderam que os produtores culturais raramente pensam na acessibilidade. É preciso, por essa razão, incutir a ideia de que, apesar de a adaptação encarecer em cerca de 10 por cento os espetáculos, vai ser vantajoso para os mesmos.

A explicação assenta no raciocínio de que muitas pessoas com deficiência ou com baixa literacia não frequentam de forma ativa a vida cultural porque não conseguem ter acesso aos produtos que gostariam. Desta forma, se houvesse mais oferta inclusiva, aumentaria o número de espetadores e, consequentemente, as receitas monetárias.

Esta peça de teatro foi, portanto, um passo no longo caminho que ainda falta percorrer para uma sociedade inclusiva.

Workshop “Comunicar é possível para todos”

Painel de Oradores
“Comunicar é Possível para Todos”. Foi esta a principal mensagem que se pretendeu passar no workshop que se realizou no dia 18 de Abril no auditório 2 da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Leiria (ESECS). A iniciativa partiu do núcleo de Educação Social e tinha como objetivo angariar dinheiro para os alunos comprarem trajes académicos. O Centro de Recursos para a Inclusão Digital (CRID) não pôde deixar de participar.

O workshop abordou temas como a comunicação acessível, a língua gestual portuguesa e o braille, tendo como oradores a doutora Célia Sousa, o Dr. Luís Vicente e o Dr.Renato Coelho.

Para a doutora Célia Sousa, as pessoas “não precisam de dizer uma palavra para comunicar”. Só em Portugal existem mais de 68 000 indivíduos que não utilizam a linguagem verbal.

As formas alternativas de linguagem não são apenas destinadas a quem nasce com alguma deficiência. São também úteis para os turistas que não dominam a língua, para desenvolver a linguagem das crianças pequenas ou até mesmo para os idosos que têm baixa visão, demência ou baixa escolaridade.

No caso dos portadores de deficiência, estas ajudas vão permitir que se tornem mais autónomos porque podem comunicar as suas próprias ideias, escolhas e opiniões.

Se alguns produtos de apoio são caros, existem alternativas que se podem utilizar, como por exemplo miniaturas, objetos do dia a dia ou até mesmo cartões com pictogramas feitos em casa.

A maior dificuldade prende-se, porém, com a sociedade. A maior parte dos locais públicos não é inclusivo e alguns dos produtos de apoio, principalmente os que trabalham com som são ainda mal vistos pelas outras pessoas. Por essa razão, muitos portadores de deficiência sentem-se inúteis em relação aos outros e têm uma vida pouco ativa.

No entanto, têm começado a aparecer materiais inclusivos nalguns espaços públicos, que visam promover uma sociedade inclusiva, em que todos fazem parte, independentemente das diferenças. Um exemplo é o Mosteiro da Batalha que tem um itinerário inclusivo que também conta com imagens em relevo, pictogramas e braille.

Comunicar de forma inclusiva não prejudica quem não necessita de ajudas, mas é uma grande mais valia para uma sociedade mais justa.