Livro inclusivo ‘A Rainha das Rosas’ distinguido com prémio Acesso Cultura


O livro multiformato ‘A Rainha das Rosas’ foi distinguido com o prémio Acesso Cultura 2018 na categoria Acessibilidade Integrada durante uma cerimónia que decorreu no dia 20 de junho na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa.

‘A Rainha das Rosas’ tem na sua génese o conceito de livro para todos. Para tal ser possível, tem imagens em relevo, braille, letra aumentada e versão áudio para pessoas com baixa visão, pictogramas para indivíduos com incapacidade inteletual ou outra caraterística que os impeça de compreender o texto escrito e interpretação em Língua Gestual Portuguesa para que as crianças com surdez possam ter acesso à história, mesmo quando ainda não sabem ler.

O livro foi desenvolvido pelo CRID e por 96 crianças das escolas da Freguesia de Cortes que contribuíram através da criação da história, da ilustração e montagem do mesmo. Desde o seu lançamento, o CRID tem recebido convites de outras escolas para desenvolver projetos semelhantes.

Célia Sousa explica que “‘A Rainha das Rosas’ é adequado para desenvolver atividades de leitura com todas as crianças, colmatando assim uma grave e premente falha no mercado, que não tem em conta as diferentes necessidades deste público”. Este livro tem como principal objetivo ‘promover a participação ativa das crianças, permitindo uma utilização versátil com recurso a diferentes formatos de leitura’, conclui.

O prémio foi entregue a Célia Sousa do CRID e a Andreia dos Santos, representante das crianças, pais e encarregados de educação das escolas envolvidas.

Entrega do Prémio Acesso Cultura 2018

Momento em que Célia Sousa discursa aquando da entrega do Prémio Acesso Cultura 2018 na categoria Acessibilidade Integrada.#Inclusão #Prémio #AcessoCultura #AcessoCultura2018 #ARainhaDasRosas #CRID #LivroMultiformato #Multiformato #Braille #Audiolivro #Videolivro #ImagensEmRelevo #LetraAumentada #ComunicaçãoAumentativa #Acessibilidade #Pictogramas #SistemaPictográficoParaAComunicação #LínguaGestualPortuguesa #Cegueira #Surdez #BaixaVisão #Deficiência #IncapacidadeInteletual #BaixaLiteracia #Crianças

Publicado por CRID – Centro de Recursos para a Inclusão Digital em Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

Alunas de Educação Básica visitam o CRID

Grupo de alunas em pé dentro do CRID enquanto ouvem o Luís

Um grupo de alunas da Licenciatura em Educação Básica visitou o CRID no dia 7 de junho.

As estudantes ficaram a conhecer os recursos que o centro dispõe, bem como o seu funcionamento. Para conhecerem melhor os equipamentos, para além da explicação por parte do dr. Luís, tiveram a oportunidade de os experimentar.

A visita sensibilizou as alunas para que saibam que existem formas de ajudar caso se venham a cruzar no seu futuro profissional com pessoas com deficiência.

Alunos de Mestrado em Comunicação Acessível entregam folhetos inclusivos

Alunos do Mestrado em Comunicação Acessível, professores e representantes da ESECS, do IPLeiria e dos Municípios de Porto de Mós e de Pombal juntos numa fotografia de grupo no palco do auditório onde se realizou a entrega dos folhetos inclusivos.

Decorreu na sexta-feira, 8 de maio, a entrega dos folhetos inclusivos realizados pelos estudantes do Mestrado em Comunicação Acessível. Os museus e monumentos abrangidos foram Castelo de Porto de Mós, o Castelo de Pombal e o Museu de Arte Popular Portuguesa (Pombal).

Na cerimónia estiveram presentes representantes dos municípios de Porto de Mós e de Pombal, que receberam os guiões multiformato diretamente dos alunos que os elaboraram.

Mais do que um trabalho de avaliação, esta atividade permitiu ajudar a tornar alguns espaços culturais mais acessíveis, já que os folhetos incluem braille, pictogramas, escrita simples e imagens em relevo.

As técnicas de comunicação aumentativa, quando aplicadas nos espaços museológicos, têm muitas vantagens, quer para os visitantes, quer para os museus ou monumentos.

Inicialmente, pensava-se que os guiões inclusivos se destinavam apenas às pessoas com deficiência. Porém, ao longo dos anos, verificou-se que estes são acedidos também por estrangeiros que não dominam a língua, por crianças pequenas e por idosos que não tiveram a oportunidade de frequentar a escola.

Os públicos que até então estavam esquecidos passam a frequentar museus e monumentos porque compreendem as mensagens a serem transmitidas e os espaços vêem o fluxo de visitantes a aumentar.